1. No fim.... 12 - Duas almas gêmeas


    Encontro: 28/06/2018, Categorias: acampamento, Amiga, Amor Incesto Heterossexual Autor: Cookie, Fonte: CasadosContos

    Quando duas línguas se entrelaçam, com desejo, mas sem desespero, com carinho, mas sem ser brando, com ritmo, mas sem pressa, é uma sensação de deliciosa de cumplicidade e afeto é liberada, tamanha sensação essa que talvez perca somente para o orgasmo simultâneo, no que diz respeito ao prazer obtido.
    
    A primeira vez senti isso foi naquela noite, naquele exato momento, enquanto Bia me beijava. Nossas bocas eram feitas uma para a do outro, e agora que lhaviam se encontrado, não mais queriam se separar. A segurando pela nuca, levantei o tronco e me virei por cima de Bia, o desejo começou a tomar conta de nós dois e de repente suas mãos procuraram a barra da camiseta do pijama, forçando-a caminho acima, nos separamos apenas para a sua retirada. Ela continuava a passear a mão pelas minhas costas, e enquanto eu beijava seu macio pescoço, ela soltava pequenos gemidos de prazer. Com meus joelhos afastei as suas pernas e me encaixei entre elas, minha mão já busca a entrada de sua blusinha, enquanto Bia rebolava sentindo toda a extensão da minha rola, pulsando de tesão, com a sua xaninha. Puxei sua blusa pra cima, e tomei um momento pra admirar seus lindos seios com aureulas claras e mamilos enrijecidos. Ela, me olhando nos olhos, deu um sorriso safado e disse.
    
    -Viu como você p me faz perder a razão?
    
    Caí de boca em seus lindos seios, passeando com a língua em volta dos seus mamilos e chupando-os. Bia gemia baixinho, esfregando sua pélvis no meu abdômen me segurando pelo cabelo  e me puxando contra si, ela já estava totalmente entregue a nossa loucura de prazer e por isso não escutou a algazarra que acontecia lá fora, percebi que era uma discussão, e levantei a cabeça deixando seus doces peitos molhados. Bia me olhou com reprovação e ia dizer alguma coisa quando finalmente ouviu as vozes exaltadas, ela pegou sua blusa e rapidamente a vestiu e jogou a minha contra mim, depois se cobriu com o lençol.
    
    Vesti minha camiseta e sai da tenda, para descobrir o que estava acontecendo, quase ao mesmo tempo que todas as outras pessoas faziam o mesmo. Procurando a direção do barulho me deparei com Ellen e Júlio tomando um esporro dos professores. Aparentemente alguma das meninas tinha ido ao banheiro e na hora da volta ouviu algum barulho estranho na barraca deles, achou que talvez alguém tivesse passando mal e colocou a cabeça dentro da barraca, somente pra pegar os dois no ato, a menina e eles gritaram de susto, algum dos professores ouviram e saiu correndo procurar o que tinha acontecido, o resto é esporro. Os dois estavam levando um homerico, achei que seriam expulsos ali mesmo tal era o tom da conversa. Bia me chamou e perguntou o que estava acontecendo e eu disse o pouco que havia pegado na hora, ela deu intenção de sair da barraca e só então percebi algo, logo notariam que quem deveria estar naquela barraca com Ellen era a Bia, e iriam procurá-la. Me bateu um desespero, medo de entrar na mesma situação que os outros dois amantes, quando vi Bia já tinha ...
«1234»