1. Evangélico depois da oração ajoelhou para mamar


    Encontro: 19/02/2020, Categorias: Oral; viadinho; Amigos; Heterossexual; Gay / Homossexual; evangélico, Gay / Homossexual , Autor: LukaSouza, Fonte: CasadosContos

    Era uma quarta-feira normal. Fui trabalhar pela manhã e achei que seria um dia sem muitas novidades. Como deixei claro anteriormente, minha família e eu somos evangélicos, pelo menos eu teoricamente. Todos os anos tem 12 dias de oração correspondente aos 12 meses, e neste dia 16/1, já era o terceiro. Logo, quando chegasse do trabalho iria para lá.
    
    Quando deram exatamente 18:08 o Rhuan me chama no WhatsApp:
    
    - Vocês estão em casa?
    
    - Eu vou já já, mas tem oração e vamos - respondi.
    
    - Ah ta. Ia passar lá agora.
    
    - Poxa rs - lamentei.
    
    - Sim, outro dia vou lá.
    
    - Faz tempo que não aparece. Chegaremos entre 20:30 a 21h.
    
    - Nossa, muito tarde kkk
    
    - Eu queria né, você-sabe-o-que kkk
    
    - Se ficasse em casa kk - ele deu ênfase.
    
    - Trepar também?
    
    - Mas falou. Deixa para outro dia - cortou o assunto. - Queria ver seus pais.
    
    - Se fosse neste horário teria, mas a casa estaria cheia.
    
    - Vou correr, de repente depois passo lá.
    
    - Sim, queria leitinho. Faz tempo que não aparece.
    
    Depois desta última mensagem ele demorou responder. Tanto que estava no carro com meu colega de trabalho pegando carona até um trecho próximo a rodoviária de Vitória, me adiantando muito, uma vez que estávamos em Cariacica e moramos em Vitória. Ele falava diversos assuntos e eu só fingia que ouvia já que minha mente estava trabalhando com as mensagens do Rhuan.
    
    Guardei o celular na bolsa. Despedi-me do meu amigo, fui para o ponto de ônibus e assim que cheguei, milagrosamente, ...
    ... passou o ônibus. Depois de uns 15 minutos cheguei em casa. Fiz um lanche, só lá para as 19h perguntei no WhatsApp a ele se viria e respondeu-me com uma foto com cara de sério, camisa da seleção brasileira azul, dizendo que estava correndo e que só mais tarde apareceria.
    
    - Vem depois. Quero você salgadinho (corpo suado).
    
    - Kkkkk
    
    - Sério - enfatizei.
    
    - Tem que aguentar até na garganta kk
    
    - Sim, safado!
    
    - Kkk você é foda! Até mais tarde.
    
    Depois disto fui a igreja, orei pouco. Minha mente estava se ele iria ou não, mas também com algumas preocupações que não vem ao caso relatar. Acabou umas 20:30 e fomos para casa.
    
    Minha família está correndo em uma quadra de areia depois da oração, por isso minhas irmãs casadas, cunhados e dois sobrinhos iriam lá para casa. Eu cheguei na esperança de o encontrar e fiquei frustrado. Fui para meu quarto, que fica no primeiro andar, e o pessoal estava na sala, no segundo.
    
    Depois de uns 5 minutos escuto sua voz saudando meus familiares e brincando com todos com aquele jeito meninão, alegre, extrovertido. Subi e o cumprimentei. Fiquei com a galera enquanto ele e meu pai discutiam futebol juntamente com um cunhado.
    
    Dei um tempo na sala de estar e desci para me quarto. Fiquei na expectativa dele arrumar uma desculpa e descer. Percebi passos pela escada. Era ele. Estava muito gostoso. Vestia camisa azul da seleção, bermuda de correr preta, aquelas molinhas que marcam a piroca toda. Fiquei desconcertado. Chegou e conversamos ...
«123»