1. Levou-a a um motel, mas não entraram, ele a comeu na garagem


    Encontro: 14/02/2020, Categorias: Traição / Corno Autor: kaplan, Fonte: ContoEroticoComBr

    (escrito por Kaplan)
    
    Uma empresa italiana que se instalou em nossa cidade organizou uma festa para apresentação de seu portfólio. Fomos chamados para fotografar o evento, Meg e eu. Coisa comum de fazer, fomos os dois, fizemos as fotos e um rapaz bastante simpático, o Giovani, uma espécie de relações públicas da empresa, que nos havia contactado por telefone, se apresentou, explicou o que queriam que fizéssemos. Ao final, ele se despediu, pediu o endereço do nosso Studio e marcamos para ele buscar as fotos três dias depois. Ou seja, o evento aconteceu no sábado e pedimos que ele fosse buscá-las na quarta-feira.
    
    Na terça, as fotos coloridas chegaram do laboratório com o qual trabalhávamos e eu já havia revelado os filmes em preto e branco e os copiara na segunda.
    
    Ocorre que, quando ele foi buscar as fotos, eu tinha saído para fazer um trabalho e foi Meg quem o recebeu. Ele falava português relativamente bem. Olhou as fotos, gostou, separou algumas para que ampliássemos, outras ele pediu que fizéssemos novas cópias, pois ia enviar aos jornais da cidade.
    
    Ficou interessado em algumas fotos que tínhamos em exposição, algumas eram, inclusive daquela famosa exposição que motivou tantos convites para Meg conhecer banqueiros, arquitetos, empresários e outros que ela teve prazeres enormes ao conhecer…
    
    Ela mostrou a ele o Studio, o laboratório e, no Studio estavam as outras fotos da exposição, inclusive as dela, bem sensuais. Ele gostou muito! E ela estava gostando demais ...
    ... do Giovani!
    
    Bem, ele se retirou e voltou alguns dias depois para buscar as ampliações e demais fotos que havia solicitado. Mais uma vez eu não estava presente…
    
    Ele pediu para ver as fotos dela de novo. Ela adorou! Ele tinha ficado interessado e ela estava achando ótimo aquilo. Não só mostrou aquelas que ele já havia visto, como outras, em que ela aparecia bem mais à vontade, entenda-se, ela aparecia nua.
    
    E quando percebeu que ele ficara excitado, não conversou, deu-lhe um beijo que, assustado, ele não correspondeu plenamente. Ele assustou não com o beijo, mas com a possibilidade de eu chegar e pegá-los no flagra. Italianos machões… já se via com um tiro no meio da testa! Maluco!
    
    Ela não iria perder o Giovani. Falou com ele que poderia ficar em casa no dia seguinte e ele poderia ir lá. Assustou ainda mais o rapaz! Ele disse que não, em nosso apartamento ele não iria.
    
    – Então eu posso ir no seu… me dê seu endereço!
    
    – Não dá, estou em hotel e eles não permitem visitas.
    
    – Bem, só tem um jeito então, a gente vai num motel. Você está livre amanhã?
    
    – Se não estivesse eu daria um jeito de estar! Tem certeza de que seu marido não vai descobrir?
    
    – Só descobrirá se você contar!
    
    – Nunca! Jamais eu contaria!
    
    – Então, fique tranquilo, ele não vai saber.
    
    Marcaram, então, o horário em que sairiam no dia seguinte. Ia ser à noite, eu sugeri isso, e falei que ela podia dar como desculpa que eu estaria fotografando um casamento e só chegaria em casa depois da ...
«123»