1. Conto


    Encontro: 18/09/2019, Categorias: BDSM Fetiches Anal Autor: cindycoxxx, Fonte: xHamster

    Liguei pra ela, que atendeu com aquela voz deliciosa e perguntou como eu estava me sentindo, respondi que estava dolorido porem leve, e me disse que me preparasse para a outra semana.
    
    Nos falávamos de vez em quando ao telefone e uma destas vezes ela me disse que tinha uma surpresa pra mim, fiquei curioso e ansioso.
    
    No dia marcado fui ao seu encontro, escolhi o motel onde levá-la e chegando lá, ao contrário do que eu esperava, ela não quis por coleira em mim e nem que eu lambesse seus pés.
    
    Como ordenado, estendi todos os objetos que trouxe em uma parte do quarto, e se destacavam os muitos vibradores, consolos, plugs, chicotes e tantos outros brinquedos.
    
    Em seguida tirei sua roupa e a minha tomamos banho juntos (uma das minhas tarefas era banhá-la) e quando saímos do banho, eu ia deitar na cama mais ela não deixou...
    
    Mandou que eu me ajoelhasse e baixasse a cabeça. Ela pegou sua bolsa e tirou de dentro dela correntes grossas, cadeado e um enforcador de cachorro com uma guia.
    
    Com uma corda de algodão fina, amarrou a base do meu pau e minhas bolas, deixando-as salientes, me colocou o enforcador com a guia e me fez ficar de quatro, me levando para passear como um cachorrinho. Fomos até a garagem, subimos as escadas, eu completamente nu, andava a sua frente e sentia seu olhar sobre os meus quadris.
    
    Andei por todos os cômodos, até que ela sentou-se na cama e me mandou ficar de joelhos na sua frente, me mandou abrir a boca e delicadamente levou seu pé até meus  lábios. Com bastante graça e sutileza, foi introduzindo seu pé em minha boca até a metade dele, e me senti engasgando várias vezes, ao ponto de que algumas lágrimas escorriam no meu rosto.
    
    Com seu outro pé, ela dava pancadas suaves em minhas bochechas e se ela estivesse usando as mãos, poderia dizer que me esbofeteava o rosto com suavidade. Tirou o pé de dentro de minha boca, e me fez lambe-lo, com suas orientações diretas de onde lamber, como lamber, quando devias sugar, quando deveria beijar, lamber.
    
    Seus gemidos diziam que estava me saindo bem e me dedicava ao máximo ao causar prazer a minha Dona.
    
    De repente as instruções pararam e a medida que ela não gostava do que estava fazendo, puxadas fortes na cordinha que prendia meu sexo eram dadas por ela, me fazendo ter uma reação diferente.
    
    Essa comunicação não verbal seguiu-se por um longo tempo, até que seus gemidos fossem tão constantes e intensos que eu me dei conta que ela poderia chegar ao gozo a qualquer instante!
    
    Que prazer incrível eu sentia em proporcionar aquilo para ela! E isso refletia em meu pênis, que estava muito, muito babado, mostrando minha excitação. Minha ereção ia e vinha, em função da dor que ela me causava a puxar a corda, mas o prazer, independente da ereção, era incrível para mim.
    
    E o gozo dela veio... intenso e não consegui perceber se com ou sem o toque dela em seu sexo, mas independente disso, era óbvio que ela gozava, apertando os pés em meu rosto, me fazendo descer ao chão por ...
«1234»