1. COM DONA FILOMENA – PARTE 3


    Encontro: 14/08/2019, Categorias: Heterossexual Autor: weyd, Fonte: ContoEroticoComBr

    Vou continuar de onde parei.
    
    Minha sogra saiu (de barriguinha cheia). Finalmente fui para o meu banho, jantei e fui dormir de conchinha com minha esposa.
    
    Na manhã seguinte saí um pouco mais cedo, por volta das 5 da manhã, me preparei e fui em direção à casa da minha sogra, fui recebido como normalmente ainda bem, ela estava com aquele hobby branco, totalmente nua por baixo. Enquanto a água esquentava para fazer o café, pois havia me adiantado, tive mais tempo para fazer alguns carinhos na coroa que se largou nos meus braços, beijava aquela boca deliciosa que me dava muito prazer, chupei os peitinhos caídos, apalpei a bunda gostosa dela, alisei aquela bocetinha depiladinha, que depois da minha depilação não deixava mais os pelos crescerem, ela estava toda languida e pensou em cair de boca, eu impedi, e dessa vez quem caiu de boca foi eu, já fazia algum tempo que não dava um trato de responsa nela, depois encravei o pau naquela coisinha lisinha. (que delícia) Ela gemia baixinho e pedia para eu me acalmar pois senão não se responsabilizaria, eu por minha vez fui provocando, até que ela levou o corpo para frente quase subindo na mesa para tirar o pau da boceta e apontá lo para o cu, e já voltou enfiando meu pau até a metade, com certeza pra mim foi uma surpresa, será que meu sogro havia comido aquele cu na noite anterior?
    
    Más tranquilo, estava muito bom e ela foi de costas comandando a foda, eu só lambia e beijava aquela orelha gostosa, e massageando o grelinho dela, logo minha sogra firmou o corpo para trás colando na a bunda na minha virilha, pois é minha sogra gozou com o pau no cu, em seguida gozei também. Ela percebeu que a agua estava fervendo e tentou se desvencilhar de mim, eu não deixei, fui segurando na cintura dela e acompanhando seus passos com o pau atolado no cu dela. Pois é aquele dia ela fez o café com o pau no cu. Isso tudo foi muito rápido em menos de meia hora já tinha rolado tudo isso. Tomei o café e segui para o quartel.
    
    Não sem antes minha sogra me solicitar para ajudar a fechar a loja naquela tarde.
    
    Durante a manhã, tudo normal no batalhão, depois do almoço o coronel pediu para que eu fizesse um serviço particular para ele e depois estaria liberado.
    
    Não deu outra era para ir até o banco, resolvi tudo para ele rapidamente e segui direto para a casa da dona Filomena, onde namoramos muito e combinamos que no domingo eu estaria à disposição dela se ela quisesse pois estaria de serviço, más como havia trocado um domingo com outro colega, aquele domingo ele tiraria o meu serviço. Só fiz uma observação: ela teria que deixar o portão aberto para que eu entrasse direto, sem ser visto por ninguém. E assim ficamos combinados.
    
    Sai da casa de dela e fui direto para a loja da minha sogra, no horário que normalmente chegaria.
    
    Chegando lá, minha sogra estava no depósito ajeitando mais algumas mercadorias que ela havia recebido, (nunca vi uma senhora naquela idade com tanta disposição), passei pela garota, que se abriu ...
«1234»