1. JANE DÁ PRA TODO MUNDO - Parte 05


    Encontro: 13/08/2019, Categorias: Anal Oral Heterossexual Autor: Ehros Tomasini, Fonte: CasadosContos

    Aninha saiu do banheiro enrolada na toalha. Brecou o namorado antes que ele entrasse onde ela e o preto estavam transando. A negra disse, alterada:
    
    - Você não vai tomar banho aqui porra nenhuma. Vá tomar na tua casa, caralho. Deixou-me esperando esse tempo todo lá no bar. Servi de chacota para as minhas amigas. Portanto, vá embora.
    
    - Eu já te disse que estava trabalhando, nega.
    
    - Nega é a puta que te pariu. Nega é tratamento pra puta e a partir de hoje não sou mais quenga tua.
    
    - Olha, eu vou-me embora. Mas amanhã, quando você estiver menos brava comigo, volto aqui, está bem?
    
    - Porra nenhuma. Não quero mais vê-lo na minha frente. E devolva-me a chave que te dei. Não te quero mais com ela.
    
    - Está na porta - disse o cara, dando-lhe as costas e saindo da residência dela.
    
    A negra bateu a porta às suas costas, depois suspirou aliviada. O negrão saiu do banheiro onde estivera escondido atrás da porta aberta, para que o cara visse o gabinete vazio. Também respirou fundo. Ela disse:
    
    - Essa foi por pouco. Ufa! Amanhã, acho uma desculpa para falar com ele. Mas não convém mais continuarmos a trepada. Ele pode se arrepender de ter ido e voltar...
    
    - E eu não me concentraria mais na foda. Vou-me embora, também. Você está satisfeita?
    
    - Claro que não! Minha intenção era foder-te a noite inteira. Mas tudo bem. Outro dia, a gente completa a transa.
    
    Já na rua, Marcelo olhou para o relógio do seu celular. Já era mais de meia-noite. Ficou na dúvida se ia pra  casa ou pro bar de Joana. Não estava mais querendo beber, pois já bebera bastante com a preta e sua amiga. Olhou para a casa que Aninha apontara como sendo a de Jane e tinha uma luz acesa lá. Mas não iria incomodar sua irmã a uma hora daquelas. Resolveu ir mesmo pra casa. No outro dia, antes de ir para a faculdade, passaria por lá e pediria informações a ela sobre a irmã. Aí, lembrou-se do bar onde tinha encontrada a irmã gêmea de Jane. Resolveu-se a dar uma passada lá antes de seguir para casa. Foi a sua sorte.
    
    Foi para o bar onde tinha falado com Jane pela última vez. Era uma quinta-feira e mesmo assim o bar estava lotado. Deu trabalho encontrar um lugar para se sentar. Um garçom, no entanto, conseguiu uma mesa para ele mas advertiu:
    
    - A mesa está ocupada mas acredito que a pessoa sentada a ela não irá se importar.
    
    - Tudo bem. Se ela se incomodar, procuro outra.
    
    A mesa ficava num canto bem discreto do bar e a área parecia reservada a casais. Uma coroa bonitona estava sentada e já havia consumido umas cinco doses pois havia alguns copos vazios de uísque sobre a mesa. O garçom cochichou-lhe ao ouvido, apontando o negro. Ela fez uma cara de desdém. O garçom o chamou. O negro cumprimentou:
    
    - Boa noite, senhora. Desculpe incomodá-la mas não tinha mais nenhuma mesa vazia.
    
    - Sente-se e deixe de lero-lero, garoto. Hoje não estou pra muita conversa. E logo estarei indo embora. Deixo a mesa contigo.
    
    Ele sentou-se, agradeceu ao garçom e pediu uma cerveja. Ela ...
«1234»